Terça-feira, 26 de Novembro de 2013
Banco de Portugal avisa que Orçamento pode aumentar crédito malparado

O Banco de Portugal (BdP) avisa que as medidas previstas no Orçamento do Estado para 2014 podem levar famílias e empresas a não conseguirem pagar os empréstimos assumidos. 

O Relatório de Estabilidade Financeira, divulgado esta terça-feira, refere que apesar dos sinais de recuperação dados pela economia este ano, há ainda um "elevado grau de incerteza" quanto à sua evolução, assim como a evolução do desemprego, o que a somar-se às medidas previstas no Orçamento para 2014 - que cortam o rendimentos dos reformados e funcionários públicos - coloca riscos sobre o sistema financeiro nacional, com impacto no aumento do crédito malparado. 

"Estes desenvolvimentos podem ter impacto negativo sobre a procura interna e, assim, dificultar a recuperação do emprego, com eventual reflexo no número de famílias que possam vir a confrontar-se com a impossibilidade de garantir os compromissos de créditos assumidos", lê-se no documento publicado pela instituição liderada por Carlos Costa. 

O crédito malparado dos particulares tem continuado a aumentar, sobretudo nos empréstimos ao consumo e outros fins, tendência que se verifica desde 2008. 

Já quanto ao incumprimento no crédito à habitação, segundo o Banco de Portugal, tem-se verificado uma "evolução mais moderada" e este está em "níveis contidos". 

Incumprimento das empresas em níveis máximos 
No caso das empresas, o Banco de Portugal mostra-se preocupado com o endividamento destas, num momento de baixa rendibilidade ou mesmo prejuízos. 

Também aqui o BdP vê riscos de persistência ou mesmo aumento do incumprimento e da incapacidade de as empresas conseguirem financiamento para projectos devido ao já elevado nível de endividamento, pelo que volta a sublinhar a necessidade de diversificação das fontes de financiamento. 

O Relatório de Estabilidade Financeira hoje divulgado pelo Banco de Portugal refere que o rácio de incumprimento das empresas atingiu no final do primeiro semestre "níveis máximos desde o início da área do euro", com 30% das empresas em situação de incumprimento. 

O documento refere ainda que este rácio era em Junho do dobro dos 15% registados no início da crise financeira, em 2008. Quanto ao montante de crédito, o rácio de crédito malparado era em Junho de cerca de 12% dos empréstimos totais obtidos pelas empresas. 

Os sectores da construção, sobretudo, mas também imobiliário e comércio são os que mais contribuem para o malparado.

fonte:http://rr.sapo.pt/i



publicado por adm às 20:29
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 22 de Novembro de 2013
Novo programa de microcrédito quer criar dois mil empregos em dois anos

A Associação Comercial e Industrial de Barcelos (ACIB) lança esta sexta-feira um novo programa de apoio ao microcrédito que pretende ser uma resposta no combate ao desemprego num dos distritos mais afectados pela falta de postos de trabalho. 

O problema do desemprego “neste distrito é acrescido”, afirma o presidente da ACIB, João Albuquerque. O distrito é “um dos mais elevados do país e atinge essencialmente os jovens”, acrescenta. 

Nos próximos dois anos, podem ser criados dois mil postos de trabalho, uma vez que a “expectativa é fazer nascer 500 novas empresas”. 

Importante é também que “estas empresas se mantenham durante muito tempo a laborar, porque Barcelos e Braga têm uma taxa altíssima de criação de empresas, mas temos também uma taxa altíssima de morte de empresas. E esta morte de empresas tem a ver com o facto de não terem sido bem assessoradas, bem acompanhadas”, defende João Albuquerque. 

A ACIB não quer que o programa seja visto apenas como uma resposta social, mas sim como um projecto multissectorial, que “seja levado aos jovens licenciados com carácter empreendedor”. 

A partir de hoje, cada empresa constituída pode ter direito a um valor máximo de 20 mil euros para arrancar com o projecto.

fonte:http://rr.sapo.pt/in



publicado por adm às 21:00
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 17 de Novembro de 2013
Como poupar 50% com um crédito pessoal

A maioria das instituições tende a aproximar a taxa que efectivamente pratica do intervalo máximo anunciado. No último trimestre, a taxa média praticada no crédito pessoal foi de 14,5%.

Primeira regra: só pedir um crédito pessoal se necessitar realmente dele. A maioria das taxas de mercado atingem os dois dígitos, com a taxa máxima a passar os 16%, na Cetelem. Significa isto que, num crédito de 5.000 euros terá pago 150% desse valor ao final de cinco anos, ou seja, quase 7.500 euros. Mas existem opções mais baratas: o ActivoBank cobra 11% para lhe emprestar os mesmos 5.000 euros, o que se traduz numa poupança superior a 800 euros no final do prazo.

O Diário Económico reuniu as taxas fixas mínimas e máximas praticadas por 19 instituições financeiras para crédito ao consumo e ordenou-as pelo pior cenário possível, ou seja, o de taxas máximas. Apesar de algumas instituições apresentarem taxas mínimas em torno dos 8% ou 9%, a taxa média praticada em Portugal no último trimestre para este tipo de créditos sugere que a generalidade das instituições tende a aproximar a taxa efectiva da taxa máxima. O Banco de Portugal fixou o limite de juros no crédito pessoal sem finalidade específica em 18,1% para o quarto trimestre, o que significa que a taxa média praticada entre Julho e Setembro foi de 14,5% (o limite é encontrado pela média do mercado no trimestre anterior acrescida de um quarto).

No entanto, pode avaliar a sua situação e perceber se tenderá a aproximar-se de valores mais baixos: será o caso de quem não tem outros créditos, além da habitação possivelmente; de alguém cuja taxa de esforço (que combina o valor da prestação com o seu rendimento disponível) não ultrapasse os 10% a 15%; ou de quem tenha fiadores ou algum tipo de garantias. O envolvimento comercial com o banco, através de uma conta, cartão, seguros ou depósito, também poderá beneficiá-lo na taxa de juro.

Significa isto que a melhor opção será sempre recorrer aos seu banco na altura de obter um crédito pessoal? O intervalo de taxas praticadas pelos bancos diz-lhe que não. Existem bancos cuja taxa mínima é mesmo superior à taxa de juro máxima praticada por outras instituições. Por exemplo, a taxa mínima no banco Best (12%) ou no Barclays (12,5%), é superior à máxima no ActivoBank (11%) ou na CGD (11,6%), enquanto o mínimo cobrado no BiC (14,5%) é superior ao intervalo máximo de quase todas as outras instituições.

(artigo publicado no suplemento Finanças Pessoais na edição de 8 de Novembro do Diário Económico)




publicado por adm às 22:51
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 12 de Novembro de 2013
660 mil famílias não conseguiram pagar empréstimos à banca

As famílias que não estão a conseguir pagar os empréstimos diminuíram em setembro, apesar de ainda serem 658.900, mas está a aumentar o número daquelas que têm dificuldades em pagar o crédito à habitação.

De acordo com as contas feitas pela Lusa a partir dos dados do Banco de Portugal, no fim de setembro, havia 658.900 famílias com prestações dos empréstimos em atraso. Este valor significa uma redução do número de famílias em incumprimento de cerca de  30 mil face às 687.400 que estavam em falta para com o banco no final de junho.

A diferença é ainda maior se for feita a comparação de setembro deste ano com setembro do ano passado, quando eram mais de 690 mil as famílias com empréstimos em incumprimento.

Apesar da queda do número de famílias em incumprimento entre junho e janeiro, já naquelas que têm empréstimos à habitação houve um aumento. No final de setembro, havia cerca de 148.500 famílias com prestações do crédito à habitação em atraso, acima das 147 mil de junho.

Dentro das famílias, os créditos à habitação são aqueles em que há maiores montantes envolvidos, o que tem contribuído para as elevadas imparidades (perdas) registadas pelos bancos. Os créditos ao consumo e para outros fins, de menor valor, geralmente, destinam-se à compra de automóvel, eletrodomésticos, financiamento para férias ou propinas, por exemplo.

Estes valores foram obtidos através do cruzamento entre o número de devedores com empréstimo concedidos (número de pessoas) e a percentagem de devedores com crédito vencido.



fonte: http://expresso.sapo.pt


tags:

publicado por adm às 20:40
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Novembro de 2013
BCP planeia conceder 4000 M€ de novo crédito até 2015

O presidente executivo do Millenium BCP, Nuno Amado, afirmou que o banco pretende dar menos crédito aos particulares, apostar mais no apoio às empresas, assumindo o compromisso de conceder quatro mil milhões de euros (4000 M€) até 2015.

"Temos o compromisso difícil de cumprir até 2015: conceder quatro mil milhões de euros de crédito novo", declarou o responsável numas jornadas do banco, na Madeira.
 
O banqueiro realçou que a instituição, apesar das dificuldades, fechou o ano de 2012 "como o maior banco privado na concessão de crédito, com uma quota de mercado de 22%", uma posição que pretende manter.
 
Nuno Amado argumentou ser "inquestionável" que o Banco Central Europeu tem desempenhado as "funções com intervenção e qualidade nos últimos tempos em termos de supervisão e financiamento da economia, através das possibilidades de financiamento dos bancos".
 
O mesmo responsável defendeu ser "fundamental" haver estabilidade no enquadramento regulamentar da banca, de regras de financiamento (...), o que não tem acontecido nos últimos anos".
 
O presidente do BCP sublinhou ser necessário equilíbrio na concessão de meios financeiros para os setores público e privado.
 
"Tem que haver atenção que todos os meios financeiros que saiam para financiar o setor público não vão estar ao serviço do financiamento do setor privado", frisou, opinando que "o país precisa de mais setor privado", que é o "motor da economia", promovendo a concorrência, que é "um ótimo fator de progresso", concluiu.
 
Nuno Amado disse ainda que a situação do banco "é incomparavelmente melhor do que a que tinha há anos" e que, mesmo em "contraciclo, há sempre possibilidades de investimento", pelo que vai "continuar a reforçar a rede comercial, apesar de reduzir as sucursais".

fonte:Dinheiro Digital com Lusa


tags:

publicado por adm às 20:25
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar
 
.posts recentes

. Crédito com incidentes ba...

. Bancos encolhem "spreads"...

. Banco de Portugal define ...

. Crédito ao consumo cresce...

. Malparado das famílias e ...

. Cofidis expande negócio d...

. Crédito ao consumo atinge...

. Saiba qual o crédito cert...

. Cinco conselhos para enco...

. Concessão de crédito ao c...

.arquivos

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Abril 2010

.links
.subscrever feeds
.tags

. 10 dicas

. 7 regras de ouro do crédito

. acesso a crédito mais baixo

. açores

. actualidade

. agricultores

. agricultura

. alunos

. amortizar créditos

. amortizar empréstimos

. atualidade

. bancos

. bcp

. caixa geral de depósitos

. carência

. cartão de crédito

. cartões

. cartões de crédito

. cgd

. cheques

. cofidis

. comissão

. comissões

. como obter microcrédito?

. credito

. crédito

. crédito a 90 anos

. crédito ao consumo

. crédito automóvel

. crédito bonificado

. crédito com incidentes bancários

. crédito especializado

. crédito habitação

. credito habitação

. credito mal parado

. crédito malparado

. crédito para comprar material escolar

. crédito para empresas

. crédito pessoal

. créditos para estudar

. créditos pessoais

. crise

. ctt

. curiosidades

. deco

. dicas

. diferimento de capital

. dinheiro

. empréstimo

. empréstimos

. espanha

. europa

. férias

. ferias

. fiadores

. financiamento automovel

. juntar os seus créditos

. juros

. leaseplan

. leasing

. linhas de financiamento ao dispor das em

. mediação do crédito

. mediador do crédito

. microcrédito

. noticias

. novas regras para renegociar créditos

. portugal

. prestação

. prestações do crédito à habitação

. renegociação dos créditos

. seguros

. sobreendividamento

. spreads

. taegs

. taxa de juros

. taxas euribor

. vida

. visa

. todas as tags