Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Créditos

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Créditos

15
Set11

BdP mantém juros máximos para cartões de crédito e sobe os do crédito pessoal e automóvel

adm

Nos últimos três meses do ano, as instituições financeiras vão continuar a poder cobrar taxas de juro até 34,1% nos cartões de crédito.

O Banco de Portugal (BdP) divulgou hoje as taxas máximas (TAEG) aplicáveis aos contratos de crédito aos consumidores no último trimestre deste ano.

Todos os limites máximos foram aumentados, com excepção dos juros pagos nos cartões de crédito que, segundo o BdP, não podem ultrapassar os 34,1%, em linha com o trimestre anterior.

Nos créditos pessoais com destino a educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos, os juros que podem ser cobrados nos contratos celebrados no quarto trimestre têm como máximo 6,8% (contra os 6,2% entre Julho e Setembro).

No crédito automóvel, as TAEG fixadas pelo BdP para o último trimestre subiram, quer nos contratos de locação financeira ou ALD de carros novos (8% para 8,5%), quer de carros usados (9,4% para 9,8%).

Nos créditos automóveis com reserva de propriedade, as taxas máximas cobradas pelos bancos passam de 11,8% para 12,3% no caso dos carros novos, e de 15,7% para 16,1% no caso dos veículos usados.

Para os cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto, o BdP fixa uma TAEG de 34,1%, o mesmo valor do trimestre anterior.

As TAEG divulgadas pelo Banco de Portugal são calculadas com base no cálculo da média de juros que é praticada no mercado, acrescida de um terço, e correspondem aos valores mais elevados que podem ser praticados pelos bancos e instituições financeiras.

O BdP passou a estabelecer estes tectos máximos para os contratos de crédito ao consumo no final do ano passado e, qualquer valor que ultrapasse esses limites constitui uma prática de usura por parte da instituição responsável.

fonte:http://economia.publico.pt/

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D