Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Créditos

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Créditos

13
Mar12

Endividado? Saiba como começar a mudar de vida

adm

Os portugueses (quer seja o Estado, as empresas ou as famílias) atingiram níveis de endividamento insustentáveis. Existindo tanta dívida numa economia pouco competitiva como a nossa, torna-se essencial uma mudança de comportamentos e um foco claro em viver de acordo com os nossos rendimentos e possibilidades.

Mas hoje em dia, falar é fácil. As famílias já estão em situações muito complicadas, situações que se agravam ainda mais com a subida dos níveis de desemprego e com os cortes observados ao nível dos salários, dos subsídios de férias e de Natal, da redução das isenções e deduções fiscais. Enfim, uma situação explosiva.

O que devem fazer as famílias?

Não existem soluções fáceis ou milagrosas. Temos de estar conscientes que o problema é grave e exige medidas sérias de atuação. 

Em primeiro lugar, temos de identificar claramente as dívidas. Muitas famílias não têm a noção exata do número de créditos e das suas caraterísticas. Para sair de um problema, é preciso identificá-lo. No caso dos créditos, a sugestão passa por identificar quatro componentes:

- Finalidade do Crédito;
- Montante em Dívida;
- Prazo;
- Taxa de Juro.

Em segundo lugar, a família deverá unir-se e falar sobre o problema. Marido e mulher têm de estar alinhados no esforço e encontrar formas de libertar fundos para a redução das dívidas. Neste ponto, fica um alerta para o facto de que muitas vezes um dos cônjuges contrai um crédito e o outro não tem conhecimento. E isso é um perigo.

Em terceiro lugar, é fundamental que a família construa o seu orçamento e seja exigente no que à poupança/desendividamento diz respeito. Todos os cêntimos contam quando falamos de créditos com taxas de 15%-20% ou mais.

Finalmente, tendo feita a identificação dos créditos pelas quatro categorias anteriormente referidas, deveremos alinhar os créditos colocando no topo aquele com a taxa de juro maior. Esse deverá ser o primeiro a ser eliminado. Pode parecer evidente, já que é o mais caro, mas na realidade muitas famílias optam por eliminar o crédito cujo montante seja mais baixo. Em termos psicológicos faz sentido, embora implique um pagamento de mais juros.

Assim, importa alinhar os vários créditos e determinar o pagamento mínimo obrigatório. Isto é especialmente válido nos cartões de crédito. A ideia é pagarmos o mínimo em todos os créditos menos naquele com a taxa mais elevada. Nesse, iremos sempre pagar o máximo possível. Numa primeira fase o esforço será maior, mas com o passar do tempo o valor em
dívida será inferior, pelo que os juros irão também reduzir.

Tendo pago o primeiro crédito, seguimos para o segundo e assim sucessivamente. Assim, evitamos cair no erro de, tendo pago um crédito, fazer outro de seguida ou gastar o dinheiro simplesmente porque nos sentimos mais ricos.

Uma segunda estratégia

A segunda alternativa é falarmos com o gestor do banco eprocurar formas de renegociar os nossos créditos

Temos de ter a noção que o principal interessado em receber o dinheiro é o banco, pelo que poderá existir abertura para encontrar soluções. No entanto, temos de nos mostrar disponíveis para fazer sacrifícios e mostrar um plano válido e credível.

As negociações poderão passar pela redução do spread (o que é difícil), pela atribuição de um período de carência (situação em que pagamos apenas juros durante um determinado período), ou até aumentar o prazo do empréstimo.

Finalmente, em caso de não conseguirmos pagar a totalidade das prestações, temos de fazer face ao que conseguirmos. O objetivo será demonstrar que temos interesse em pagar. Adicionalmente, isso permite-nos pagar menos juros de mora pelos atrasos.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt/

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D