Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Créditos

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Créditos

08
Mai12

Ritmo de novas famílias em incumprimento é "assustador"

adm

Nos três primeiros meses do ano, mais 28 mil famílias deixaram de poder pagar os seus empréstimos à banca. DECO diz que "ritmo é assustador".

Os números são da Central de Responsabilidades de Crédito do Banco de Portugal: entre Janeiro e Março deste ano, mais 28 mil famílias deixaram de poder pagar os seus empréstimos à banca. E foi no crédito à habitação onde se registaram mais casos de incumprimento. Para a DECO, associação de defesa dos consumidores, o ritmo de novas famílias em situação de incumprimento é "assustador" e o cenário não deverá melhorar até final do ano.

"A expectativa é que o número de famílias em dificuldades aumente mais até final do ano. O desemprego é a principal causa das dificuldades de família. O ritmo [de novas famílias em incumprimento] é assustador. É difícil perspectivar até onde podemos chegar", comentou Natália Nunes, da DECO, em declarações ao Etv.

Segundo a responsável, mais de 90% dos casos que chegam à DECO são de famílias em incumprimento de pelo menos um crédito. E a partir desse momento, "a única coisa que a DECO pode fazer é dizer o que vai acontecer a essa família", explicou a responsável.

Natália Nunes admitiu que parte da culpa está na falta de informação dos consumidores, mas também não poupa os bancos, assim como Banco de Portugal e o Governo por falta de regulação e supervisão.

E defendeu medidas para travar escalada do número de famílias em insolvência.

"Toda a gente já reconheceu a necessidade de ajudar as famílias, nomeadamente a que tem crédito à habitação", disse a responsável. "Os bancos já têm vindo a fazer ajustamentos, renegociando os contratos com os clientes, a contactá-los de forma antecipada para evitar problemas. O desemprego é algo temporário. É necessário, por exemplo, que haja um período de carência, até que o cliente encontre emprego. São medidas como estas que têm de ser aplicadas", reforçou.

 

fonte:http://economico.sapo.pt/

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D