Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Créditos

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Créditos

09
Jul10

‘Spreads’ mínimos para o crédito a habitação sobem mais de 40%

adm

Escolher o banco que oferece o ‘spread’ mais baixo permite poupar mais de 18 mil euros no empréstimo.


À semelhança do que se passa com as comissões cobradas no crédito à habitação, também os ‘spreads' praticados pelos bancos têm vindo a reflectir o efeito da crise financeira e a necessidade destes arrecadarem mais dinheiro. Em seis meses, os ‘spreads' mínimos publicitados nos preçários dos dez principais bancos a operar em Portugal aumentaram, em média, mais de 40%. No início do ano, a média dos ‘spreads' mínimos era de 0,86% (excluindo o Banco Popular). Hoje, a média desses ‘spreads' já é de 1,25%. No caso do Barclays, é onde se nota um crescimento mais acentuado do ‘spread' mais baixo. Este situa-se nos 1,15%, bastante acima do que acontecia em Janeiro, e que se justifica com o fim de uma campanha promocional que o Barclays levava a cabo desde o início de 2009. No entanto, qualquer das restantes instituições bancárias tem apostado em força no aumento dos seus ‘spreads', apresentando incrementos superiores a 17%.

 

Estas subidas podem acrescentar vários zeros no valor da factura final do cliente do crédito à habitação e "encostar à boxe" a importância dos valores que os bancos cobram em comissões.

 

O ideal será conjugar o melhor destes "dois mundos". Ou seja, conseguir o ‘spread' mais baixo no banco que menos encargos cobra ao cliente. Esta análise é possível de fazer através da comparação da TAE (Taxa Anual Efectiva) oferecida pelos bancos. Esta taxa inclui todos os encargos associados ao crédito. Nomeadamente, o ‘spread' e os encargos com comissões. Nas simulações convencionais de crédito à habitação dos bancos, a divulgação desta taxa é obrigatória.

 

De acordo com os preçários dos bancos, o Popular é a instituição que pratica o ‘spread' mais baixo (0,6%), enquanto o Crédito Agrícola disponibiliza o mais alto (1,6%). Ter um ‘spread' de 1,6%, por oposição a 0,6% pode significar um custo anual acrescido superior a 600 euros. Fazendo as contas verifica-se que, um empréstimo de 100 mil euros a 30 anos, indexado à Euribor a seis meses (média de Junho) com um ‘spread' de 0,6% teria uma prestação de 350,52 euros. Aumentando o ‘spread' para 1,6% o encargo mensal sobe para 400,97 euros. Uma diferença de 50,45 euros por mês ou de 605,4 euros por ano. Mas, na totalidade da vida do empréstimo é que se sente o peso dos zeros acrescidos à factura. A diferença entre os dois cenários é superior a 18 mil euros.

 

Contudo, é necessário ter em atenção que o ‘spread' mínimo só está ao alcance de uma minoria de clientes. Estes terão que apresentar um baixo perfil de risco, uma elevada fidelização com o banco- nomeadamente com a subscrição de produtos de ‘cross selling'-, ter uma baixa taxa de esforço (peso da prestação no rendimento mensal do cliente), bem como rácios de financiamento inferiores a 50%. A contratação de produtos dos bancos é, aliás, um dos argumentos que os bancos mais utilizam junto dos clientes para oferecer-lhes ‘spreads' mais baixos. Se a domiciliação de ordenados e de despesas periódicas não acarreta encargos acrescidos, o mesmo já não acontece se subscrever um seguro ou cartão de crédito. Para verificar se os custos não diluem os ganhos, o ideal é comparar a TAE com a TAER (Taxa Anual Efectiva Revista), que inclui o impacto de todos esses encargos acrescidos.

fonte:http://economico.sapo.pt/

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D