Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Créditos

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Créditos

22
Jan13

Crédito malparado atinge quase 16 mil milhões de euros

adm

O montante de créditos de cobrança duvidosa no balanço dos bancos voltou a atingir máximos históricos em Novembro.

Os bancos continuam a diminuir a carteira de crédito a famílias e empresas mas não conseguem estancar a subida do malparado nos seus balanços. O crédito de cobrança duvidosa voltou a bater máximos históricos em Novembro, segundo os dados hoje divulgados pelo Banco de Portugal. Atingiu os 15,92 mil milhões de euros, dos quais 10,8 mil milhões pertencem a empresas. 

O aumento do incumprimento no crédito tem pressionado os resultados da banca, dada a necessidade de constituição de provisões para absorver as possíveis perdas. Uma pressão que tem reflexos na economia real, com os bancos a limitarem os novos empréstimos dados os riscos que representam para a sua actividade.

Nas famílias o rácio de crédito vencido atingiu em Novembro os 4,1%. O crédito à habitação continua a ser aquele onde se regista o menor número de incumprimentos, com o rácio de malparado a situar-se nos 2,3%, enquanto no crédito para consumo e outros fins o incumprimento atinge já 12% do total de crédito concedido.

Mas é no sector das empresas que a situação é mais preocupante, com o rácio de crédito vencido a atingir os 10,8% em Novembro. O maior nível de incumprimento está concentrado nas pequenas e médias empresas, com um rácio de 13,2%, enquanto nas grandes empresas o rácio situa-se nos 2,6%. Também as empresas exportadoras têm conhecido maiores dificuldades para honrar os seus compromissos nos últimos meses. O nível de incumprimento atingiu os 4,9%, quando apenas há dois meses se situava nos 3,2%.

 fonte:http://economico.sapo.pt/n

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D