Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Créditos

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Blog destinado a partilhar tudo o que se passa no mundo dos créditos. Os melhores créditos, a melhores taxas de juro, noticias e novidades sobre os créditos.

Créditos

29
Nov11

Portugueses usam menos cartão de crédito

adm

Utilização dos cartões de crédito em Portugal recuou para mínimos de três anos, mostra um estudo da MasterCard divulgado hoje.

Os portugueses continuam a ser adeptos dos cartões de débito, enquanto o número e o recurso aos cartões de crédito diminuiu este ano, caindo para os valores mais
baixos desde 2008.

O estudo, intitulado "Comportamento Financeiro dos Particulares em Portugal", indica que "86,8% dos portugueses com mais de 15 anos tem um cartão de débito" e que, do total de entrevistados, 95,6% afirma usá-lo regularmente.

Face a 2010, o número de cartões de débito aumentou 0,4%, sendo que 95,6% dos detentores de cartão de débito admite usá-lo regularmente.

No entanto, os portugueses estão a evitar usar mais do que um cartão de débito: este ano o número médio de cartões utilizados pelos entrevistados foi de 1,42, contra 1,46 em 2010.

Os consumidores portugueses usam os cartões de débito sobretudo para as suas compras diárias de bens de consumo (82,9%, face a 79,3% em 2008).

Já a compra de roupa e calçado, que registou um crescimento contínuo entre 2008 e 2010, caiu 4% este ano.

No entanto, a percentagem de uso dos cartões de débito decresceu em todas as categorias, sugerindo portanto uma ligeira contracção no consumo.

No que respeita aos cartões de crédito, o estudo indica que 30,6% de todos os entrevistados tem um cartão de crédito, uma queda de 1,8 pontos percentuais face a 2010 (32,4%).

No entanto, o uso de cartões de crédito também registou um decréscimo este ano.

"Em 2011, tanto o número de cartões de crédito como o seu uso pelos consumidores portugueses, registaram os níveis mais baixos desde 2008. O decréscimo acumulado no uso de cartões de crédito de 2008 até agora é de -15,1%", segundo o estudo.

Este ano aumentou o uso de cartões de crédito para pagamentos de combustível (subida de 6,1% em relação a 2010) e "férias e viagens" (2,8%), enquanto o uso do crédito para comprar roupas, calçado e jóias caiu 3,7%.

O estudo indica ainda que 88,5% dos inquiridos com mais de 15 anos têm, pelo menos, uma conta bancária.

Quanto à taxa de bancarização, esta é mais elevada na faixa etária dos 25-34 anos (98,3%) e nas áreas do grande Porto (90,1%) e da grande Lisboa (92%).

Mais de metade dos particulares em Portugal afirma concentrar as suas contas bancárias numa única instituição (56,5%).

A amostra do estudo são 3.956 entrevistas realizadas a residentes em Portugal com 15 anos ou mais, entre Março e Junho de 2011.

fonte:http://economico.sapo.pt/no

21
Out11

Descubra os cartões de crédito que o ajudam a poupar

adm

O número de cartões com a função de ‘cash-back’ está a crescer.

Estes cartões devolvem ao cliente uma pequena percentagem do valor efectuado em compras com estes meios de pagamento.

A crise tem obrigado o sector financeiro a reinventar-se. A criatividade e adaptação que as instituições financeiras estão a demonstrar na actual conjuntura para tentar cativar mais clientes reflecte-se também nos cartões de crédito. São cada vez mais os cartões que, além de disponibilizarem uma linha de crédito, têm uma série de vantagens associadas. Vantagens essas que podem ser materializadas de várias formas: obtenção de pontos que podem ser utilizados em descontos em bilhetes de cinema e outras actividades de lazer, ou que podem ser trocados por milhas. Há ainda os que dão descontos no abastecimento do automóvel. Além destas vantagens têm também surgido no mercado vários cartões com a modalidade de ‘cash back'. Ou seja, cartões em que as instituições devolvem ao cliente uma percentagem do valor das compras efectuadas com o cartão. Por vezes, a modalidade de ‘cash back' não está apenas indexada ao montante realizado em compras com o cartão mas também a outras variáveis mais inusitadas, como o número de golos marcado por uma equipa de futebol. É o que acontece com o cartão de crédito do Benfica. Apesar de não ser um cartão com a finalidade ‘cash back' pura, a CGD devolve aos clientes até dois euros por cada golo marcado pela equipa da Luz na liga portuguesa de futebol.

A CGD, o Santander, o BES e o BiG são algumas das instituições financeiras que disponibilizam cartões com a modalidade de ‘cash back'. Já o Best, um dos bancos pioneiros na comercialização no mercado português deste tipo de cartões- com o lançamento do cartão ISavings Black- deixou de ter esta modalidade de poupança neste produto.

Se pretende adquirir um cartão com esta modalidade há, no entanto, alguns conselhos a ter em conta. O primeiro passará sempre pela análise e comparação da taxa de juro associada ao cartão e do custo da anuidade. Estas duas variáveis serão sempre indispensáveis para o consumidor poder avaliar os custos associados a um cartão de crédito. Porque, no limite, os ganhos que um consumidor poderá obter com a modalidade de ‘cash back' poderão não compensar face aos encargos associados ao cartão.

Outro ponto a que os consumidores devem estar alerta tem a ver com o facto de em muitos casos, a modalidade de ‘cash back' estar constrangida por algumas condicionantes. Por exemplo, o cartão 10.10 TSi do Santander devolve até 10% do valor dos pagamentos em combustível e em portagens Via Verde. No entanto, esta devolução está limitada até a um valor máximo de 10 euros por mês em combustível e 10 euros por mês em via verde. Além disso, para ter acesso a esta devolução terá de efectuar o mínimo de 200 euros por mês em compras com o cartão (excluindo os pagamentos com combustível e portagens). Condições semelhantes são praticadas em outros cartões com a modalidade ‘cash back'.

Mas apesar de algumas condicionantes, a verdade é que os montantes recebidos em ‘cash back' poderão ser, ao fim de um ano, bastante interessantes. Por exemplo, para quem fizer compras com o cartão de crédito Leve (CGD) no valor de 1.500 euros mensais, receberá de volta cerca de 11 euros por mês, que serão canalizados para um PPR. Ao fim do ano, só com a facilidade do ‘cash back' o seu PPR terá engordado 132 euros.

Um montante que em época de crise não é de desprezar. A própria Deco, no seu último estudo sobre cartões de crédito, recomenda a subscrição de cartões com a funcionalidade de ‘cash back'. Aliás, se dois cartões de crédito tiverem a mesma taxa de juro nominal e as mesmas anuidades, mas se um deles tiver a modalidade de ‘cash back', este último deverá apresentar uma TAEG mais baixa do que o primeiro.


Cartões que o ajudam a poupar

CGD
O banco liderado por José de Matos disponibiliza o cartão de crédito Leve que está associado a um PPR. Este produto prevê a possibilidade de ‘cash back' entre 0,6% e 1,5% das compras mensais efectuadas com o cartão. O montante será depositado no PPR. Mas para beneficiar do reembolso máximo terá de fazer pagamentos com o cartão no valor superior a 2.000 euros mensais. O banco prevê um ‘cash back' máximo mensal de 100 euros.

BES
O banco liderado por Ricardo Salgado tem neste momento uma campanha que vai até Abril do próximo ano e que beneficia a quase todos os portadores de cartões de crédito emitidos pelo BES. Apenas os cartões BES Platinum Private e Business, (com programa Top miles) não estão abrangidos pelo programa. A campanha em questão promete devolver 5% dos pagamentos com restauração e educação e 2% dos pagamentos em saúde, vestuário e calçado. Mas , para ter acesso a esta campanha não basta ter cartão de crédito do BES. Os pagamentos terão também de ser feitos através de um terminal de pagamento do BES. A devolução é feita trimestralmente em valores iguais ou superiores a 15 euros. Sendo que durante a duração da campanha o valor máximo para o total de devoluções é de 300 euros.

BIG
Também o banco ‘online' tem um cartão de crédito que prevê a possibilidade de o cliente optar pela funcionalidade de mealheiro. Assim, por cada um euros que gaste em compras, o banco faz-lhe automaticamente um débito extra no extracto mensal de 5 cêntimos, que são colocados no mealheiro. Através do extracto mensal consegue ver quanto é que poupou todos os meses. Sendo que ao fim de 12 meses, o BiG oferece 5% sobre o valor total que poupou.

Santander
O Santander Totta disponibiliza dois cartões que devolvem de alguma forma o valor efectuado em compras. Um deles é o Cartão Desconto que devolve 5% das compras efectuadas sem limite de valor. No entanto, para beneficiar deste desconto terá de deixar sempre, pelo menos, 50% do saldo mensal em dívida para o mês seguinte. O desconto a aplicar será deduzido ao valor do pagamento mensal em dívida. Além deste produto, o Santander disponibiliza também um outro cartão com a modalidade de ‘cash back', trata-se do cartão 10.10 TSi. Este produto tem a particularidade de devolver 10% dos pagamentos feitos com combustível e portagens pagas através do sistema Via Verde até a um limite de 10 euros por mês no caso dos combustíveis e 10 euros por mês no caso do pagamento da Via Verde.

 

Outras vantagens

1 - Milhas
Numa análise feita recentemente pelo Diário Económico foi possível encontrar 13 cartões de crédito que permitem a acumulação de milhas. São sete os bancos portugueses que os comercializam. A saber: CGD, Millennium bcp, BES, Santander Totta, Barclays, Banif e Best. Na generalidade dos casos, estes cartões são o resultado de parcerias estabelecidas entre os bancos e agências de viagens ou companhias aéreas.

2 - Descontos no cinema
São vários os bancos que concedem descontos no cinema aos seus clientes portadores de cartões de crédito. Aqui ficam dois exemplos. O Millennium BCP tem uma parceira com a ZON Lusomundo. E quem comprar um bilhete de cinema com um dos cartões de crédito do Millennium bcp (Prestige, Millennium bcp GO!, Millennium bcp Gold, Millennium bcp M, Millennium bcp M Ordenado, Millennium bcp Classic, Millennium bcp Classic Gémeos ou Millennium bcp Gold Gémeos), recebe outro gratuito para a mesma sessão. Também o BPI, com o cartão de crédito Universo permite aos seus clientes comprarem bilhetes nos cinemas Castello Lopes ao preço de segunda-feira nos restantes dias úteis da semana.

3 - Brindes e prémios
Os brindes e os prémios são uma das formas mais usadas pelos bancos para seduzir clientes. O Banif, por exemplo, tem o cartão de crédito da Hello Kitty. E quem o subscrever, além de ter direitos a descontos nas lojas Hello Kitty poderá receber uma ‘pendrive' da gata mais famosa do mundo- se a primeira compra realizada com o cartão for de valor igual ou superior a 100 euros. Também o Santander atribui brindes- que vão desde a pólos, passando por sacos desportivos e casacos alusivos à Ferrari- aos subscritores do cartão Ferrari.

4 - Combustíveis
Com a escalada dos preços dos combustíveis, as instituições financeiras aliaram-se às grandes gasolineiras de forma a conseguirem conceder descontos no abastecimento do carro, através dos seus cartões de crédito. Por exemplo, o Cartão CaixaDrive da CGD permite aos titulares beneficiarem de um reembolso de 3% do valor dos abastecimentos em postos da Repsol na conta-cartão. Já o Santander tem o cartão 10.10 TSi, que permite um ‘cash back' de 10% dos pagamentos efectuados com o abastecimento de combustível (independentemente da gasolineira). Também o cartão Universo do BPI permite obter 2,5% de desconto em combustíveis Galp.

fonte:http://economico.sapo.pt/

26
Set11

Cartões de crédito com novas funcionalidades

adm

A UNICRE vai lançar novos serviços e funcionalidades nos cartões de crédito.

A empresa decidiu dinamizar duas áreas de negócio menos conhecidas, nomeadamente o crédito ao consumo numa óptica consciente e a prestação de serviços a entidades financeiras, segmentos em que já tinha uma pequena presença, mas que passaram a ser apostas estratégicas para o futuro. 

Assim, o renovado portefólio de cartões de crédito UNIBANCO para particulares e empresas passa a permitir operações que, até aqui, estavam vedadas aos cartões de crédito, e que eram exclusivas dos cartões de débito. Por exemplo, passa a ser possível realizar o pagamento em caixas ATM (Multibanco) de quaisquer serviços, incluindo ao Estado, fazer o carregamento de títulos de transporte e de telemóveis e associar o dispositivo Via Verde ao cartão, com a vantagem, relativamente aos cartões usualmente utilizados, de conceder em média 35 dias de crédito gratuito nestas operações, explica a empresa em comunicado.

Esta evolução apoia-se «num forte investimento a nível tecnológico, estando a empresa a substituir a sua plataforma aplicacional por um novo sistema», num investimento que ronda os 15 milhões de euros.

Na vertente de aceitação de pagamentos com cartão nos comerciantes, a UNICRE prepara-se para lançar vários serviços, dos quais se destacam o Quickpay, destinado a reduzir o tempo das operações de pagamento. 

A possibilidade de pagamentos com cartões de fora da zona euro serem feitos na moeda em que foram emitidos, a plataforma de pagamentos online REDUNICRE E-Commerce, e o serviço Tax Free, que permite emitir um talão de devolução do IVA aos turistas extracomunitários, sobre as vendas efectuadas em Portugal, constituem também alguns dos serviços mais recentes e inovadores, desenvolvidos pela REDUNICRE.

fonte:http://www.agenciafinanceira.iol.pt

15
Set11

BdP mantém juros máximos para cartões de crédito e sobe os do crédito pessoal e automóvel

adm

Nos últimos três meses do ano, as instituições financeiras vão continuar a poder cobrar taxas de juro até 34,1% nos cartões de crédito.

O Banco de Portugal (BdP) divulgou hoje as taxas máximas (TAEG) aplicáveis aos contratos de crédito aos consumidores no último trimestre deste ano.

Todos os limites máximos foram aumentados, com excepção dos juros pagos nos cartões de crédito que, segundo o BdP, não podem ultrapassar os 34,1%, em linha com o trimestre anterior.

Nos créditos pessoais com destino a educação, saúde, energias renováveis e locação financeira de equipamentos, os juros que podem ser cobrados nos contratos celebrados no quarto trimestre têm como máximo 6,8% (contra os 6,2% entre Julho e Setembro).

No crédito automóvel, as TAEG fixadas pelo BdP para o último trimestre subiram, quer nos contratos de locação financeira ou ALD de carros novos (8% para 8,5%), quer de carros usados (9,4% para 9,8%).

Nos créditos automóveis com reserva de propriedade, as taxas máximas cobradas pelos bancos passam de 11,8% para 12,3% no caso dos carros novos, e de 15,7% para 16,1% no caso dos veículos usados.

Para os cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto, o BdP fixa uma TAEG de 34,1%, o mesmo valor do trimestre anterior.

As TAEG divulgadas pelo Banco de Portugal são calculadas com base no cálculo da média de juros que é praticada no mercado, acrescida de um terço, e correspondem aos valores mais elevados que podem ser praticados pelos bancos e instituições financeiras.

O BdP passou a estabelecer estes tectos máximos para os contratos de crédito ao consumo no final do ano passado e, qualquer valor que ultrapasse esses limites constitui uma prática de usura por parte da instituição responsável.

fonte:http://economia.publico.pt/

31
Ago11

7 cuidados a ter com o cartão de crédito

adm

Ter um cartão de crédito deixa qualquer pessoa mais vulnerável a uma fraude, quer seja com pagamentos onlineou quando vai fazer compras à loja. E estas fraudes são mais comuns do que parecem. Os burlões agem sob a forma de hackers informáticos ou empregados de balcão disfarçados e têm um objectivo: roubar o seu número de cartão de crédito e utilizá-lo de forma fraudulenta.

Para se proteger, há alguns cuidados básicos que deve ter. Siga os conselhos da DECO – Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores.

 

1- Procedimentos básicos: Assim que receber o seu cartão de crédito, assine-o, e caso receba um cartão de crédito novo de substituição, destrua o antigo. Deve também destruir ou guardar os recibos de compras;

2- Cuidado com o código: Nunca escreva o código no cartão. Memorize-o. Sempre que efectuar pagamentos, tenha cuidado para evitar que outros vejam o seu código;

3- Não perca de vista o cartão: Sempre que fizer algum pagamento, não deixe que o funcionário o leve para longe. Um minuto é suficiente para fazer cópia da banda magnética;

4- Informações pessoais: Nunca dê o número da sua conta bancária ou do cartão de crédito por telefone ou e-mail, mesmo que se trate de uma empresa onde é cliente;

5- Um é suficiente: Se tem vários cartões de crédito evite colocá-los todos na carteira. Opte por usar apenas um e guardar os outros em lugar seguro. Em viagens deixe-os no cofre do hotel;

6- Agir de forma rápida: Se está a ser vítima de uma fraude , contacte imediatamente o seu banco. O mesmo princípio aplica-se no caso de roubo ou perda do cartão. A instituição bancária cancelará o cartão e, caso se prove que a fraude se deve a uma falha no sistema de segurança – e não à falta de cuidado dos consumidores – o banco devolverá o dinheiro correspondente aos levantamentos feitos indevidamente pelos burlões.

7-  Cuidado com as compras na internet: Sempre que efectuar pagamentos através da internet, confirme se a morada do site começa por https:// (com o “s” após http://). O “s” indica que a ligação é segura, ou seja, que pode enviar o seu número e informações de cartão de crédito.

fonte:http://www.saldopositivo.cgd.pt/

04
Jul11

Proteja o seu cartão de crédito

adm

Chegou o tempo de férias, provavelmente uma das épocas do ano nas quais os portugueses mais utilizam o cartão de crédito. Quer seja para comprar viagens através da internet, pagar alojamento ou servir de meio de pagamento no estrangeiro, é frequente ver-se muita gente com este pedaço de plástico na mão, muitas vezes sem consciência do alvo fácil que são.

No entanto, apesar de bastante práticos, existe algum risco associado. Além do esforço que deve fazer por conhecer bem os custos e as vantagens do pequeno pedaço de papel de plástico, o portador de um cartão de crédito fica mais susceptível a fraudes. Por excelência, o Verão é a época dos burlões que não poupam imaginação nem meios para ter acesso aos seus dados bancários e causar prejuízos financeiros irreparáveis.

Existem várias formas de fraudes com cartões de crédito, desde o roubo, às impressões falsas, clonagem de cartões e mesmo o roubo de informações através de vírus. Por isso, deve ter alguns cuidados simples para evitar ser alvo de uma fraude. Na maioria dos casos são meros hábitos do dia-a-dia, como manter o cartão em local seguro ou confirmar sempre se o cartão que tem na mão é o seu. Conheça-as.

10 dicas para evitar fraudes

1- Não perca o rasto às suas compras - Confira sempre o extracto do cartão de crédito e verifique se tudo o que vem discriminado no documento são efectivamente compras efectuadas por si. Se tiver vários cartões, o controlo tem de ser mais rigoroso.

2- Prefira sites seguros – Sempre que fizer compras pela internet, dê preferência aos sites com sistemas de segurança reconhecidos. Qualquer operação está sujeita à invasão dos piratas informáticos. No entanto, há umas que tomam mais precauções do que outras. O website deverá ter um certificado de SSL (certificado de autenticidade). Veja os conselhos da Comissão Europeia para os compradores pela internet.

3 – Não assine facturas em branco – Nem assine mais do que uma vez a mesma compra, sem inutilizar a anterior.

4 – Confira se o cartão devolvido após a compra é o seu. Há burlões especializados em trocar cartões dentro dos estabelecimentos comerciais, com a conivência de funcionários.

5 – Atenção aos cartões que não pediu - Se o seu banco lhe enviar para casa um cartão de crédito que não pediu, equacione o seu uso e se dicidir não ficar com ele equacione devolvê-lo já que fica mais susceptível a ser burlado.

6 – Atenção ao prazo - Se mandou vir um cartão de crédito, tenha em atenção ao prazo que o seu banco definiu para chegar a casa. Caso não o receba dentro desses dias, deverá contactar o banco pois pode ter sido extraviado. Destrua também o cartão de crédito assim que termine o prazo de validade.

7 – Nunca forneça dados do cartão – Por telefone ou mesmo presencialmente, ainda que tenham bom aspecto ou até que lhe digam que estão a ligar do seu banco.

8 – Escolha um cartão com seguro - Alguns cartões incluem seguro de utilização fraudulenta, que cobre os movimentos efectuados até 24 ou 48 horas antes da comunicação ao banco. Desta forma consegue minimizar danos.

9 – Não empreste o cartão – É intransmissível e apenas o portador o pode assinar.

10 – Memorize o pin (código) – Se prefere anotá-lo, faça-o no telemóvel, escondido na lista de contactos e adicione outros números para ficar melhor dissimulado.

fonte:http://www.saldopositivo.cgd.pt/

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

Politica de privacidade

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D